© 2020 por UP - Centro Infantil de Terapias & Educação

Contacte-nos: 218 061 816 - 937 841 494   |   geral@centroup.pt   |   Rua Garcia de Orta, nº9A, 2800-096 Almada

Centro registado na Entidade Reguladora de Saúde sob o número E142206.

  • Facebook
  • Instagram

MAUS TRATOS NA INFÂNCIA

Segundo a Direção‐Geral da Saúde, “Os maus tratos em crianças e jovens dizem respeito a

qualquer ação ou omissão não acidental, perpetrada pelos pais, cuidadores ou outrem, que

ameace a segurança, dignidade e desenvolvimento biopsicossocial e afetivo da vítima.”

A prática de maus tratos pode apresentar diferentes formas como, por exemplo, negligência;

mau trato físico; mau trato psicológico/emocional; entre outras.
Importa então distinguir mau trato físico de psicológico e partilhar os sinais de

alerta para que todos possamos estar atentos e oferecer auxílio.
 
O mau trato físico resulta de qualquer ação não acidental, que provoque (ou possa vir a

provocar) dano físico à criança ou jovem e que seja aplicada por pais ou outros cuidadores com

responsabilidade face aos mesmos. Pode ocorrer repetidamente ou num ato isolado. Alguns

sinais indicadores de mau trato físico são: lesões que deixem marcas (fivela, corda, mãos);

hematomas; cortes; fraturas das costelas; sequelas de traumatismo antigo; perturbações do desenvolvimento (peso, estatura, linguagem, …); alterações graves do estado nutricional; etc.

 

O mau trato psicológico resulta da privação de um ambiente de segurança e bem-estar afetivo imprescindível para o crescimento e desenvolvimento equilibrados da criança ou jovem.
 

 

Assim, é importante conhecer alguns sinais que podem ser indicadores de mau trato psicológico: episódios repetidos de urgência por cefaleias, dores musculares e abdominais sem causa orgânica aparente; comportamentos agressivos (auto e/ou hetero-agressividade) e/ou automutilação; excessiva ansiedade ou dificuldade nas relações afetivas interpessoais; perturbações do comportamento alimentar; alterações do controlo dos esfíncteres (enurese, encoprese); choro incontrolável no primeiro ano de vida; comportamento ou ideação suicida.

 

Em jeito de conclusão, é importante salientar que, é um dever cívico de qualquer pessoa denunciar uma possível situação de maus tratos que possa colocar em risco a vida ou a integridade física ou psíquica de uma criança ou jovem. Assim, poderão encontrar mais informação no site da Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens (https://www.cnpdpcj.gov.pt).  
 

Caso surjam situações em que uma criança ou jovem apresente alguns dos sinais acima descritos, que sugiram que esta possa estar em risco ou perigo, é possível encontrar os passos para sinalizar no site (https://www.cnpdpcj.gov.pt/proteger/a-crianca-em-risco/sinalize.aspx).

Elaborado por:

Equipa de Psicologia Clínica do Centro UP